3 de mai de 2012

Resenha do Lendário XI Seminário Internacional de Violão Vital Medeiros - Suzano (SP)

Caros amigos,

Acabo de regressar do Lendário XI Seminário Vital Medeiros.

Para quem não conhece o evento, é possível resumir em poucas palavras em que consiste tal evento. Trata-se de um prestigiado encontro internacional de violões, o qual recebe diversos violonistas na cidade de Suzano (São Paulo), considerando-se que a cidade de Mogi das Cruzes também já foi responsável pelo referido evento nas primeiras edições. A Dona Juraci — viúva de Vital Medeiros — e o violonista Gilson Antunes são os grandes responsáveis por levar a cabo esse evento tão importante para o cenário violonístico no Brasil há mais de 10 anos.

A edição 2012 iniciou-se no sábado (dia 28 de abril) com a palestra com o luthier paulista Wolf Schimidt. Ao longo de sua palestra, Wolf discorreu sobre sua particular filosofia de construção e expressou sua admiração pelo luthier espanhol José L. Romanillos. Falou um pouco sobre o complexo assunto acerca da utilização de novos materiais — tais como a fibra de carbono e o nomex — nos violões modernos. Enfim, uma bela palestra!

Vale lembrar que o luthier mineiro Lúcio Jacob também esteve presente no evento com seus belos violões. A propósito, é impressionante o fato de que seus violões de pinho (com belo acabamento por sinal) possuem um som acentuadamente aberto com apenas alguns dias de construção. No primeiro dia do evento, esteve presente também o luthier paulista José Valderrama com seus belos violões, cuja oficina se localiza em Santo André (SP).

Em seguida, tivemos a surpresa do recital da Marcelly Rosa. Embora tenha apenas 16 anos, ela mostrou que sabe extrair um lindo som de violão com um repertório sério, incluindo peças de Ponce, Diabelli, Torroba, Jorge Cardoso e outros. Rosa tocou ainda a música Sambalanço, de Jair de Paula, falecido violonista que foi um dos primeiros professores de violão no Conservatório de Tatuí.
 

Após o recital de Marcelly, ouvimos o chileno Robinson Degregorio (radicado na Argentina) que dedicou seu recital às obras musicais argentinas, finalizando com obra de Carlos Gustavino. Infelizmente, não pude ficar para a palestra de Degrogorio acerca da obra de Gustavino que ocorreu à tarde do mesmo dia.

Ainda no sábado, tivemos o privilégio de ouvir um belo concerto do paulista Dagoberto Linhares, que reside na Suíça há mais de 40 anos. Antes do recital, houve uma linda homenagem ao Dagoberto por parte do Seminário Vital Medeiros. O repertório — que foi tocado em duo com seu amigo suíço (Raymond Migy) — compreendeu obras de Granados, Villa-Lobos, Piazzolla e outros. Tivemos o prazer de ouvir obras como Villanesca, Valsa da Dor, Libertango, Adiós Nonino e outras lindas obras.

Em seguida, ouvimos o Fábio Zanon com o flautista Marcelo Barbosa.

Antes do recital, houve também uma bela e merecida homenagem ao  Zanon. O recital foi uma verdadeira delícia. Um repertório bem variado e bem interpretado. Tivemos o prazer de um ouvir também belos solos do Zanon e do Barbosa:


No domingo (dia 29 de abril), tivemos um dia bem variado. O dia se iniciou com uma bela palestra do Humberto Amorim sobre a obra do professor Ricardo Tacuchian. Humberto mostrou trechos de seu DVD que será lançado em breve, bem como do concerto para violão e orquestra do professor Tacuchian. Amorim discorreu também acerca do pioneirismo do Tacuchian na obra eletroacústica no Brasil ainda nos idos de 1980. Em seguida, Alexis Méndez brindou-nos com um repertório dedicado à obra latino-americana. Alexis tocou Barrios, Ponce, Mario Orozco Cáceres, Gentil Montaña e Eduardo Martín. No final do recital, tive a honra e o prazer de compartilhar o palco com Alexis, interpretando Hasta Alicia Baila, do cubano Eduardo Martín:



Depois do concerto de Alexis, deleitamos com o recital de Guilherme Vincens, que demonstrou um repertório sério e com uma bela sonoridade em seu violão de cedro construído por Zbigniew Gnatek (polonês que vive na Austrália). A propósito, esse é o mesmo violão que Pedro Rodrigues (Portugal) utilizou em seu concerto. Vincens finalizou o concerto com as estações portenhas (inverno e verão) do argentino Astor Piazzolla, valendo-se dos arranjos arrebatadores de Sérgio Assad.


Infelizmente, não pude ficar para a palestra do argentino Fernando Roveta, que discorreu sobre os elementos folclóricos na sonata do Ginastera. De qualquer sorte, eu ouvi excelentes comentários acerca da referida palestra.

À noite, foi a vez do recital do italiano Stefano Raponi, que interpretou Brouwer, Tedesco e Dominiconi. Ele iniciou o concerto com uma obra do compositor mexicano Guillermo Diego e, no meio do recital, brindou-nos com uma obra de sua autoria intitulada Presagio, a qual possui um trémolo flamenco.


Em seguida, tivemos o belíssimo concerto do Pedro Rodrigues, natural de Coimbra (Portugal). Pedro iniciou o concerto com sua transcrição da HWV 448 (F. Handel). Em seguida, tocou algumas obras portuguesas e finalizou com uma interpretação incrível da BWV 828 (4º partita em Ré maior em 7 movimentos) de J.S.Bach, cuja obra é originalmente para cravo. De Bis, Pedro interpretou algumas obras de Agustín Barrios Mangoré, com destaque para as obras: Sueño en la Floresta e El Último Trémolo. Uma perfomance impressionante!!

Na segunda-feira (dia 30 de abril), tivemos continuidade à palestra de Fernando Roveta sobre a sonata de Ginastera para violão. Em seguida, fiz meu recital com obras brasileiras, argentinas e peruanas.


Grande parte do programa foi composta por obras minhas. De Bis, toquei Hasta Alicia Baila com meu amigo cubano Alexis Méndez.

Depois de meu recital, teve início o concerto do violonista paulista Paulo Porto Alegre, que interpretou um programa “jazístico”, incluindo obras de Pat Metheny, Ralph Towner e peças próprias:

Na tarde do dia 30 de abril, Guilherme Vincens discorreu acerca dos arranjos do violonista brasileiro Sérgio Assad e do violonista francês Roland Dyens em sua palestra. Vincens falou sobre os pressupostos necessários para os arranjos na linguagem dos dois violonistas. Uma bela palestra de fato!!
 
A noite do dia 30 foi mágica, em virtude da bela performance do inglês Jonathan Leathwood, cujo recital foi divido em duas partes. A propósito, foi o único dia em que houve apenas um concerto à noite. Embora Leathwood não tenha disco solo gravado, ele possui um justo prestígio que provém da sua expressiva musicalidade. Para se ter uma ideia da música de Jonathan, vale lembrar que Juliam Bream vem trabalhando constantemente com ele, com o intuito de se continuar desenvolvendo novos repertórios de concerto para o violão. Em sua performance em Suzano, Leathwood iniciou o concerto com a 6º suíte para Cello de J.S.Bach com uma belíssima interpretação a propósito. Seguiu com Music of Memory (de Nicholas Maw), cuja obra para violão é considerada por Juliam Bream como uma das mais importantes do século XX. Na segunda parte do programa, ele tocou os estudos 5, 8 e 10 de Heitor Villa-Lobos e finalizou o concerto com uma peça que lhe foi dedicada (Oxen of the Sun, de Stephen Goss), a qual requer a utilização de dois violões ao mesmo tempo, conforme foto abaixo:

De bis, Leathwood tocou lindamente o Andante da BWV 1003 (J.S.Bach).

A terça-feira (dia 1 de maio), último dia do evento, iniciou-se com uma excelente palestra do Cyro Delvizio sobre a obra de Agustín Barrios Mangoré, cuja temática diz respeito ao seu mestrado desenvolvido na UFRJ. Em seguida, eu proferi uma palestra acerca do violão de sete cordas solista e de sua inserção no choro brasileiro, bem como na música argentina e peruana.

À tarde, tivemos a palestra de Alberto Zamarbide (argentino residente em Miami), que é um representante dos produtos D’addario. Após a palestra, foram distribuídas cordas e outros produtos para os alunos, a exemplo de camiseta e de afinadores:

Tão logo acabou o sorteio, teve início o recital dos alunos do Seminário Vital Medeiros. Tivemos a oportunidade de ouvir um repertório variado, incluindo peças de Garoto, Villa-Lobos, Sérgio Assad, Agustín Barrios, Xavier Montsalvatge i Bassols e dentre outros.

Após o recital dos alunos, teve início uma mesa redonda com os convidados do evento. Sendo assim, os alunos fizeram perguntas livres aos convidados, cuja atividade me pareceu muito salutar.

A noite do dia 1º de maio (último dia) iniciou-se com o recital de Elodie Bouny, que abriu o concerto com duas obras do boliviano Alfredo Dominguez: Feria e Leyenda. Tais obras utilizam muitas percussões no violão e possuem uma sonoridade andina peculiar. Bouny seguiu o programa com uma obra de Juan Falú e com obras próprias. No meio do concerto, interpretou Mazurka Appasionata de Agustín Barrios e disse que se arrependeu de não ter gravado tal obra em seu recente disco:

Para finalizar o evento, houve o recital do norte-americano Robert Trent, que interpretou obras de Antonio Lauro, Carlos Alberto Pinto Fonseca, bem como obras próprias. Para finalizar, Trent interpretou Le Gondolier e Fantasia Húngara do compositor Johann Kaspar Mertz com seu violão de 10 cordas, cujo instrumento já era tocado por Mertz no século XIX.

Curiosamente, ouvimos duas vezes a Fantasia Húngara nos concertos, pois tal obra também estava presente no programa de Guilherme Vincens.

Foi um evento inesquecível sem dúvida! Parabéns a todos que participaram e que organizaram esse belo evento violonístico!

É possível ter acesso à biografia e ao repertório tocado por cada convidado por meio do blog do próprio seminário:
http://seminariovitalmedeiros2012.blogspot.com.br/2012/02/cronograma-de-atividades.html

Saudações musicais!

11 comentários:

  1. Parabens pelo resumo e boa sorte na sua carreira meu amigo! abs
    Toscano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Toscano. Muito obrigado pelos votos de sucesso! Grande abraço. Desejo-lhe o mesmo!

      Excluir
  2. Muito interessante para os que não puderam desfrutar deste grande evento ler esta resenha Fabiano. Ao comprar seu cd e em seguida suas partituras fiquei admirado pelo seu trabalho heróico como concertista e compositor, composições estas muito originais de profunda comprrensão da musica na américa latina. Convém lembrar também nesta resenha de sua interessante abordagem sobre o violão 7 cordas também em toda américa latina em sua palestra. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ederson. Muito obrigado pelo comentário! Foi um prazer conhecê-lo. Acho que o evento foi de grande valia para todos nós que saímos engrandecidos de alguma forma. Foram 4 dias intensos e inesquecíveis que me fizeram escrever este pequeno relato do evento. Saudações musicais!

      Excluir
  3. Olá Fabiano, parabéns pela resenha, ficou ótima. Estou em casa ouvindo teu CD, que maravilha. Parabéns pelo belo e excelente trabalho. Um abraço fratenor e muito sucesso. José Daniel - Rio Grande (RS).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, José Daniel.

      Fico muito feliz em saber de seu trabalho musical. Muito me alegra também o fato de você ter apreciado meu trabalho. Espero revê-lo em breve para falarmos sobre a música da fronteira.

      Grande abraço!

      Excluir
  4. Olá Fabiano!!

    Excelente resenha!! É um registro fiel e bonito desse maravilhoso evento! Acredito que todo violonista que leve a música a sério deve participar ao menos uma vez na vida desse evento pois sua contribuição na construção da nossa carreria tem valor inestimável!

    Parabéns pelo recital e por suas composições, o contato com elas tem sido muito interessante!

    Grande abraço e até o próximo!!
    Lourival

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lourival.
      Prazer conhecê-lo em Suzano. Muito obrigado pelas palavras. Fico feliz que tenha gostado do meu trabalho.
      Realmente, o festival é excelente!
      Seja bem-vindo ao blog.
      Sucesso na jornada musical!

      Excluir
  5. Parabens amigo violonista. Que linda resenha.
    Um abraco do Sul.
    Geris Jose Lopes Consalter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Géris. Muito obrigado pela visita! Eu vi seu e-mail rapidamente, mas não deu para responder, pois estou enrolado com o recital que farei na semana que vem em MG. Infelizmente, Não filmamos a master class da Margarita no Cervantes. Ela é uma grande violonista e professora.
      Seja bem-vindo ao blog!
      Abração!

      Excluir
  6. links do evento na mídia de SP:

    http://www.culturasuzano.com.br/2012/05/seminario-internacional-de-violao_01.html

    http://www.suzano.sp.gov.br/CN03/noticias/nots_det.asp?id=7109

    ResponderExcluir